CONVIDANDO OS HOMENS PARA O DEBATE:
LIDERANÇA FEMININA GERA LUCRO

No dia 28 de Junho de 2017, a ONG brasileira W.I.L.L. - Woman in Leadership in Latin America reuniu na sede do Goldman Sachs no Brasil líderes comprometidos no painel, empresas patrocinadoras engajadas no tema e audiência participativa no debate. Confira.

APOIO: Goldman Sachs | Itau Unibanco | Chadbourne & Parke LLP | Inpress Novelli Porter

NA IMPRENSA

revista-exame
Convidando homens para o debate: Liderança feminina gera lucro
Por Flavia Hill: "Entre discursos de que a conduta deve vir de cima [para baixo], ser permanente, real e firme, entendendo que é um processo constante, alguns tomavam mais destaque: “Humanizar as relações é preciso. Entender o que é importante para aquela pessoa, estimular e respeitar isso dentro e fora do ambiente de trabalho”, defendeu Fabio Kapitanovas, VP de gente da Ambev.. LINK
revista-exame
Cota para mulheres é uma boa? Grandes executivos respondem
Por Luisa Melo: "Essa história de que não tem mulher qualificada para ser líder não dá. O que falta é incentivo", ponderou Regina Nunes, da S&P. LINK
Participação Feminina em Debate
Por Letícia Arcoverde: A presidente da Will, Silvia Fazio, explica que o mercado financeiro está entre os setores onde mais altos executivos reconhecem a necessidade de agir para aumentar a diversidade no alto escalão - 63% dos entrevistados destacaram o problema em uma pesquisa global recente da consultoria EY. LINK
Executiva ou empreendedora, eis a questão
Por Sandra Boccia:  As empresas dizem estar com medo de perder talentos do sexo feminino, sobretudo nos níveis gerenciais e de diretoria, que é onde o calo aperta mais. Gestores atentos tentam, a seu modo, abraçar o tema da liderança feminina e "empoderá-las". Pouco a pouco, a pauta deixa de ser opcional e passa a ser obrigatória na agenda C-Level. LINK
28% de chance de assumir uma posição de liderança
Por Viviane Duarte: A WILL estará dentro das empresas realizando diálogos com executivos de alta gestão e realizando auto avaliação das mesmas para que possam ser construídos programas de equidade e capacitação para oportunidades das mulheres nos cargos de liderança e alta gestão das empresas. Silvia levantou uma questão muito importante e que estamos falando há anos: “Este debate está longe de ser um assunto de minoria, afinal, nós, mulheres, somos a maior parcela da população. O que falta, então, para enxergarem isso e darem às mulheres as mesma chances que os homens?” LINK
#CDMJ Entrevista: Silvia Fazio
Por Joanna Burigo: O empoderamento também envolve livrar as mulheres do “complexo da fraude”, que é resultado da educação diferente, pautada em gênero, que faz com que mulheres internalizem  noções que as fazem duvidar da própria competência. LINK

O EVENTO

WILL reúne presidentes de empresas para debater equidade de gênero no mercado de trabalho

convidando-os-homens-para-o-debate-lideranca-feminina-gera-lucro-will-latin-america-3a-edicao-33

Estratégia da ONG ao provocar o debate entre executivos do país é levantar a questão de que a liderança feminina gera lucro para as empresas.

Pesquisas importantes mostram a relevância da diversidade de gênero para a inovação. Uma análise do S&P Composite 1500 descobriu que firmas que têm mulheres em papéis gerenciais de destaque valem, em média, cerca de 40 milhões de dólares mais que as companhias apenas com líderes do sexo masculino. Outros estudos realizados pela EY (Ernst & Young) apontam que executivos concordam que a presença de mulheres em cargos de liderança melhora a performance das empresas. Por outro lado, apenas 18% dos entrevistados estruturaram programas formais para identificar e desenvolver mulheres para a liderança. O Fórum Econômico Mundial aponta que o período  necessário para que se atinja a igualdade de gênero no mercado de trabalho é de 170 anos.

 

silvia-fazio-convidando-os-homens-para-o-debate-lideranca-feminina-gera-lucro-will-latin-america

“É preciso reunir a liderança empresarial, hoje composta pela maioria masculina, para um debate construtivo a fim de entender a necessidade do empoderamento feminino nas empresas e as iniciativas que já existam para que elas se multipliquem”, disse Silvia Fazzio, presidente da WILL, durante o evento realizado na sede do Goldman Sachs em São Paulo na última quarta-feira (28).

Para isso, a WILL- Women in Leadership in Latin America reuniu seis CEOs e vice-presidentes de algumas das mais importantes empresas do país no evento “Convidando os Homens para o Debate”, com o objetivo de inserir os homens nesta discussão para saber o que eles pensam e esperam de novas líderes e, acima de tudo, para sensibilizá-los da necessidade de uma mudança neste cenário, para o bem das próprias empresas que representam, para o mercado de trabalho, de modo geral, e para o desenvolvimento do país. “É preciso reunir a liderança empresarial, hoje composta pela maioria masculina, para um debate construtivo a fim de entender a necessidade do empoderamento feminino nas empresas e as iniciativas que já existam para que elas se multipliquem”, disse Silvia Fazzio, presidente da WILL, durante o evento realizado na sede do Goldman Sachs em São Paulo na última quarta-feira (28).

Reunidos na última quarta-feira (28) na sede do Goldman Sachs, em São Paulo, o presidente da EY, Luiz Sergio Vieira apresentou aos demais debatedores a plataforma Womem. Fast Foward, iniciativa que tem o objetivo de diminuir esse tempo com programas de promoção da mulher e com a geração de conhecimento sobre o tema. Segundo estudos, as três maiores barreiras listadas pelas mulheres são a cultura desestimulante, viés organizacional e conflitos com o cuidado da família.

Paula-Moreira-Goldman-Sachs-convidando-os-homens-para-o-debate-lideranca-feminina-gera-lucro-will-latin-america

Paula Moreira, Co-Chair Diversity Committee e Managing Director Goldman Sachs, recebeu a ONG Will Latin America e convidados

 

Fabio-Kapitanovas--convidando-os-homens-para-o-debate-lideranca-feminina-gera-lucro-will-latin-americaLuiz Sergio Vieira, Keynote Speaker. CEO EY Brasil

Reunidos na última quarta-feira (28) na sede do Goldman Sachs, em São Paulo, o presidente da EY, Luiz Sergio Vieira apresentou aos demais debatedores a plataforma Women Fast Foward, iniciativa que tem o objetivo de diminuir esse tempo com programas de promoção da mulher e com a geração de conhecimento sobre o tema. Segundo estudos, as três maiores barreiras listadas pelas mulheres são a cultura desestimulante, viés organizacional e conflitos com o cuidado da família.

“Fazemos parte do time que acredita que a diversidade gera valor. Acreditamos que as mulheres são uma força indispensável para as organizações e agregam habilidades e características únicas ao ambiente de trabalho”, diz Vieira.

O estudo Navegar a disrupção sem diversidade de gênero? Pense de novo, realizado pela EY com 350 líderes em 51 países, aponta que mais de metade dos entrevistados (55%) disse que precisa fazer mais para atrair, manter e promover mulheres a posições de liderança. No entanto, há uma desconexão entre intenções e atitudes. Quase metade (43%) dos homens afirmou que um dos maiores problemas era a falta de candidatas. Contudo, entre mulheres, apenas 7% concordaram que esse era o maior obstáculo.

 

Panelistas-convidando-os-homens-para-o-debate-lideranca-feminina-gera-lucro-will-latin-america

Da Esquerda: Daniela Barbosa, Moderadora GloboNews, Fabio Coelho CEO Google Brasil, André Mendes, Presidente Johnson & Johnson, Fabian Gil, Presidente Dow America Latina, Theo van Der Loo, Presidente Bayer, Marcus Vaccari, Vice Presidente RH PepsiCo, Fabio Kapitanovas, Vice Presidente Gente Ambev

 

Os dados nos mostram o tempo todo que mulheres na liderança trazem benefícios às organizações. Precisamos então trabalhar o inconsciente, o que está por trás das decisões para colocarmos esses estudos em prática”, revelou Andre Mendes, presidente da Johnson & Johnson.

O vice-presidente da Pepsico, Marcos Vaccari, afirmou que a organização investirá cerca de 1,5 milhão de dólares no Brasil no desenvolvimento de mulheres e meninas.

“Além da prosperidade economia, há uma melhora qualitativa. Na tomada de decisões as mulheres tendem a escutar mais as opiniões e agregam habilidades”, concluiu o presidente da Bayer S.A, Theo Von Der Loo.

“Somente com um diálogo aberto e claro e com o apoio dos homens conseguiremos atrair e reter o talento feminino para o mercado de trabalho, em todos os níveis, e fazer com que a mulher, finalmente, aspire e conquiste mais posições em cargos de liderança. É fundamental que nós, mulheres, reconheçamos o potencial econômico feminino e convidemos os homens, que são hoje a maioria dos líderes empresariais e políticos, para esse importante debate.”, ressalta a presidente da WILL, Silvia Fazio.

“Vale lembrarmos que há diferentes tipos de mulheres, diferentes líderes, e todas têm que ter seu espaço. É uma batalha diária da cultura da inclusão”, afirmou o presidente da Dow America Latina, Fabian Gil.

Fábio Coelho, presidente do Google no Brasil, Luiz Sérgio Vieira, presidente da EY Brasil, Andre Mendes, presidente da Johnson &Johnson, Fabian Gil, presidente da Dow America Latina, Marcus Vaccari, vice presidente da Pepsico, Fabio Kapitanovas, vice presidente da Ambev e Theo Von der Loo, presidente da Bayer S.A contribuíram para a discussão.

 

 

VEJA TAMBÉM

Edição 1 2015: Liderança feminina gera lucro – Brasília 2015 – CEBB

Edição 2 2016: Liderança feminina gera lucro – São Paulo Goldman Sachs 2016

Edição 3 2017: Liderança feminina gera lucro – São Paulo Goldman Sachs

 

2017 © Comunicação Will Women in Leadership in Latin America

Fotos: Rafael Neddermeyer e Tom Dib, Criadores de Imagens.
Assessoria de Imprensa: Inpress Novelli Porter