liderança feminina, empoderamento economico, diversidade, equidade, igualdade, Mulheres em Conselhos, gender gap, women in latin america, diversidade, género,

Mulheres são minoria em altos cargos de chefia. Empresas podem oferecer medidas para ajudar

Silvia Fazio Director-President, WILL Brazil NGO
Silvia Fazio Director-President, WILL Brazil NGO

No mundo, apenas 24% dos cargos de direção sênior são ocupados por mulheres. A proporção encontrada no Brasil é semelhante, onde a presença feminina nesses postos corresponde a 22%, de acordo com pesquisa da consultoria de negócios Grant Thorton, divulgada no ano passado. Estudo da consultoria Bain & Company, também de 2014, apresenta números desanimadores: 4% dos principais executivos entre as 250 maiores empresas brasileiras são do sexo feminino. “O acesso de mulheres a cargos de topo de carreira, tanto no setor privado quanto no público, é baixo em comparação à quantidade de trabalhadoras inseridas no mercado”, afirma Tania Fontenele, economista e pesquisadora em gênero. “As mulheres ainda sofrem com uma herança social de discriminação e com a tripla jornada – de trabalhadora, de mãe e de esposa”, explica. Para os empregadores, a divisão desequilibrada de funções familiares é apontada como o principal entrave para a ascensão de mulheres, de acordo com pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O esforço pelo delicado equilíbrio entre as diferentes esferas da vida é uma constante na trajetória de mulheres que atingiram altos cargos profissionais. “Passei por situações em que fui para casa, botei minha filha para dormir e voltei a trabalhar”, conta Silvia Fazio, 43 anos, presidente da Women in Leadership in Latin America (Will) – organização lançada em 2014 para estimular o desenvolvimento profissional feminino na América Latina – e sócia do escritório de advocacia Chadbourne & Parke LLP. A advogada considera a busca por harmonia entre casa e trabalho importante para a própria satisfação.

De acordo com pesquisa do Fórum Econômico Mundial, a igualdade de gênero no Brasil ainda está longe de ser alcançada. O país aparece com 0,694 ponto no índice da organização – quando mais próximo de 1, mais igualitária é a sociedade (veja quadro). Com a pontuação, o Brasil fica em 71º lugar entre 142 países. Outras nações da América do Sul, como a Argentina, a Colômbia e o Chile aparecem em posições mais altas no ranking: 31º, 53º e 66º, respectivamente. Paraguai e Uruguai ficam em 81º e 82º lugares. Quando observado o índice sobre disparidade salarial entre homens e mulheres que realizam o mesmo trabalho, a posição do Brasil cai para 124 na lista, com índice 0,51.

A injustiça salarial permeia as mais diferentes carreiras mundialmente, chegando inclusive ao universo do cinema. A desigualdade foi assunto até mesmo na premiação do Oscar 2015, realizada em 22 de fevereiro. Depois de receber o prêmio de melhor atriz-coadjuvante pela atuação no filme Boyhood, Patricia Arquette defendeu igualdade de salários e de direitos para as mulheres. O discurso foi aplaudido com entusiasmo por estrelas como Merryl Streep.

 

LEIA MAIS AQUI

Correio Braziliense
Ainda longe do topo
Juliana Espanhol

Leave a Reply

Your email address will not be published.